Imprimir

Escola do DF é exemplo de sustentabilidade

Ligado . Publicado em Sustentabilidade . Acessos: 1537

6609

Projeto educacional em Planaltina incentiva o respeito ao meio ambiente

Fábio Magalhães

BRASÍLIA – Distante cerca de 50km do centro da capital, o Centro de Ensino Fundamental 02 (CEF 02), em Planaltina, encontrou um diferencial para evitar a evasão escolar. Em instalações construídas com garrafas PET, projeto premiado nacionalmente, a instituição provou que é possível integrar conteúdos tradicionais com atividades extracurriculares, que engajou toda a comunidade escolar.

A mudança no colégio começou em 2011, quando o coordenador da escola integral, Gilvan Luis França (foto), 47 anos, idealizou a construção de uma sala multiuso de 66m² cujas paredes são feitas de 15 mil garrafas de plástico, material arrecadado por estudantes e utilizado em substituição aos tijolos.

“Tínhamos a demanda de atender 130 alunos da educação integral e não tínhamos espaço. Daí surgiu a necessidade de construir essa sala, que é maior que uma tradicional, para podermos oferecer as atividades. Essa construção uniu toda a comunidade e foi feita pelos próprios alunos”, detalhou França.

A estrutura, na parte inferior da construção, é formada por garrafas cheias de areia e unidas umas nas outras com barro. No alto das paredes, os vasilhames foram preenchidos com água colorida, o que permite maior luminosidade dentro do cômodo, que é utilizado para o desenvolvimento das atividades da escola integral.

“Antes não existia nada nesse lugar e agora temos essa sala, que é uma maravilha para nós, estudantes, porque aqui temos um espaço seguro onde podemos aprender e nos divertir. Essa construção dá mais vontade de ficarmos na escola e aprender mais”, disse Jaime Guimarães, 14 anos, aluno da 7ª série.

O único concreto utilizado na obra foi para fazer as colunas que sustentam um telhado de amianto, e a inovação na forma de construir rendeu a França, que é biólogo, uma premiação de R$2 mil, oferecida, em São Paulo, pela Associação Brasileira da Indústria do Pet (Abipet).

O docente também venceu a “6ª edição do Prêmio Professores do Brasil”, concurso promovido pelo Ministério da Educação, com premiação de R$7 mil, que foram utilizados para comprar instrumentos musicais para os alunos, que há três meses passaram a estudar teoria musical em grupo.

“A música me faz livre e representa tudo o que sinto. Esse projeto faz com que tenhamos mais orgulho de estudar em escola pública, que tenhamos mais vontade de estar na escola e de querer sempre aprender mais”, opinou a estudante da 7ª série Ana Catarina Felinto, 14 anos, vocalista da turma.

INOVAÇÃO – Além da construção da sala de aula ecologicamente correta, França desenvolve outros projetos voltados à sustentabilidade e à proteção do meio ambiente.

Atualmente, o professor faz testes de um aquecedor de água feito com 120 garrafas PET e 36m de cano PVC, que utiliza o calor do sol para elevar a temperatura da água armazenada em uma caixa d’agua de 100L.

“São projetos simples que queremos que os pais levem para casa e que tenham mudança de hábitos. Ao fazermos esse tipo de aparelho e termos o apoio dos pais, as crianças crescem com outra visão e, principalmente, respeitando o ambiente em que vivem”, complementou o professor.

Mãe e tia de alunas do CEF 02, Marilene Ataíde, 40 anos, aprova todas as iniciativas de França e, ainda, contribui para que elas se tornem realidade.

Monitora de atividades, Ataíde passa parte do seu dia na escola, onde ajuda a desenvolver as tarefas do período integral e diz que a instituição passou por mudanças significativas.

“Essas atividades que temos aqui influenciam na cabeça das crianças e ajudam muito o desenvolvimento escolar delas. Eu, como mãe e como monitora, acompanho diariamente a rotina da escola e vejo que a qualidade é excelente”, ressaltou Ataíde.

As melhorias no ensino também são percebidas pela monitora Sarah Marques, 22 anos, que cursou da 1ª à 8ª série nessa escola, em uma época que essas novidades não existiam.

“Quando estudei aqui, anos atrás, perdi muitas coisas como as que os alunos estão tendo agora. Eles podem participar de atividades diferentes, fora das salas de aula, e isso ajuda muito na formação”, opinou.

A escola conta, além dessas inovações, com um formato diferenciado de ensino, em que os alunos são convidados a saírem das salas de aula para aprenderem em passeios a pontos turísticos, teatros, cinema, dentre outros locais.

O aprendizado, na escola, se estende, ainda, a uma horta onde são cultivados tomate, cenoura, alface e cheiro-verde, produtos que são produzidos sem agrotóxicos e que são utilizados no incremento da merenda escolar.

Ainda no canteiro, que é frequentemente utilizado pelos alunos, a estrutura para o plantio é feita de garrafas PET e de pneu, para, segundo o professor, causar menos impacto ao meio ambiente e conscientizar as crianças, desde pequenas, para o seu papel na sociedade.

 

Fonte: Eco Brasília.


{fcomment id = 6609} {jcomments off}

ALERJ

Our website is protected by DMC Firewall!